Angola é o país Lusofono com a pior governação - segundo pesquisa

Angola é o país Lusofono com a pior governação - segundo pesquisa

 

Segundo Mo Ibrahim, a solução terá de passar obrigatoriamente por “bons líderes, boas instituições e boa governação”, sem os quais “não haverá Estado de Direito, não haverá desenvolvimento”

Cabo Verde é o país africano de expressão portuguesa melhor classificado, ocupando o quarto lugar, no Índice Mo Ibrahim 2010, em que São Tomé e Príncipe está em 11.º, Moçambique em 20º, Guiné-Bissau em 41º e Angola em 43º. Os últimos da lista são a Eritreia, Zimbabué, RD Congo, Chade e Somália.


No índice de 53 países, Cabo Verde desceu, porém, dois lugares em relação a 2009, ficando agora atrás das Maurícias, que mantém o primeiro posto, Seicheles e Botsuana, com a África do Sul a fechar o "top 5". Os últimos da lista são a Eritreia, Zimbabué, RD Congo, Chade e Somália.

A tabela avalia quatro critérios de governação - Desenvolvimento Humano, Participação e Direitos Humanos, Segurança e Estado de Direito, Oportunidades de Sustentabilidade Económica.

Numa pontuação de 0 a 100, Cabo Verde surge com 73.83 pontos, seguido, entre os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), por São Tomé e Príncipe (desceu uma posição em relação a 2009 - 57,05 pontos), Moçambique (52,39), Guiné-Bissau (42,09) e Angola (39,29).

Na apreciação global do continente, o documento reconhece que muitos povos africanos têm hoje em dia mais acesso a oportunidades económicas, mas estão a ver os seus direitos políticos ignorados.

"Existe um risco de os direitos dos cidadãos serem negligenciados na altura em que a África procura o desenvolvimento económico", afirmou o tanzaniano Salim Ahmed Salim, antigo secretário geral da extinta Organização da Unidade Africana (OUA, hoje União Africana) e um dos administradores da Fundação Mo Ibrahim.

Segundo Ahmed Salim, nos últimos dois anos, a Fundação Mo Ibrahim, criada por um milionário de origem sudanesa, que fez fortuna no ramo das telecomunicações, decidiu não atribuir o seu prémio anual a um estadista africano que se tenha particularmente distinguido pela sua boa governação.

O prémio, de cinco milhões de dólares, foi atribuído na edição inaugural, em 2008, a Joaquim Chissano, ex-presidente de Moçambique, e, no ano seguinte, a Festus Mogae, ex-chefe de Estado do Botsuana.

As regras ditam que os candidatos podem ser considerados durante três anos após o fim do exercício de funções, o que inclui os ex-presidentes sul-africano, Thabo Mbeki, ganês, John Kufuor, e nigeriano, Olusegun Obasanjo.

Os membros do comité, presidido pelo ex-secretário geral das Nações Unidas, Kofi Annan, e que tem entre os seus membros a moçambicana Graça Machel, presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade (FDC), optaram, assim, por não atribuir o prémio, "apesar da existência de candidatos credíveis".

O Prémio Ibrahim para o Sucesso na Liderança Africana visa reconhecer líderes africanos que tenham dado provas de excelência na liderança política, e está aberto a ex-chefes de Estado ou de Governo de países da África Austral que tenham deixado de exercer funções nos últimos três anos e dado provas de liderança exemplar.

Fundador da empresa de telecomunicações africana Celtel International, Mo Ibrahim, nascido no Sudão em 1946, é considerado um modelo de cidadão africano bem sucedido, que privilegiou uma gestão ética do negócio. Vendeu a empresa em 2005 - sete anos depois de a ter criado - a um operador do Kuwait por 3,4 mil milhões de dólares, fortuna que financia a Fundação e o prémio.

Mo Ibrahim tem responsabilizado as "falhas monumentais dos líderes africanos após a independência", explicando sem meias palavras que, "quando nasceram os primeiros Estados africanos independentes, nos anos 50, África estava melhor em termos económicos".

Mo Ibrahim explica que "as enormes falhas na governação provocaram o retrocesso".

Mo Ibrahim culpa também os cidadãos porque foram eles que permitiram que os destinos do continente fossem conduzidos por maus líderes.

O empresário qualifica de "vergonhoso e um golpe à dignidade" a contínua dependência de África em relação ao ocidente, tendo em conta os "recursos impressionantes" que abundam no continente.

"Não se justificam a fome, a ignorância e a doença que assolam África", enfatiza Mo Ibrahim, para quem a solução terá de pessar obrigatoriamente por "bons líderes, boas instituições e boa governação", sem os quais "não haverá Estado de Direito, não haverá desenvolvimento".
 

 

Fonte: NL

 

 

Comentario

Luanda

Branco portugues | 10-10-2010

Mas porque é que a vossa policia vos repreende com tanta brutalidade a voces angolanos pretos? Será que nao se gostam por serem pretos?Seriam capazes de maltratar desta maneira a algum angolano branco?Duvido que teriam esse atrevimento...

Direitos Humanos

WangaWabu | 08-10-2010

A polícia que nós temos...

Nao posso aceitar isso.

Transparente | 07-10-2010

Esta noticia nao pode ser verdadeira, que dizer que estamos pior que a Guiné Bissau em termos de governaçao e transparencia?Nao pode!Isto nao aceito mesmo.

NAO

Minu | 07-10-2010

Esta foto nao deveria estar ai, eu vejo mulher, uma mãe a bater com tanto ódio e força; meu Deus aonde esta Angola e onde vai? sera que os esposos e filhos se sentem seguros? Deus salva o infeliz a ser massacrado.

Boa governação em Africa...

sunga muxima | 07-10-2010

Mo Ibrahim realmente é um dos poucos Africanos bem sucedidos no mundo dos negocios, a sua fundação premeia líderes Africanos que conduzam os seus países ao desenvolvimento no seu todo. Líderes Angolanos jamais serão premeados, porque ostentam espiríto desumano a primeira vista...é inconcebivel um país como Angola, de recusros fartos, e o seu povo a vender todos os dias á miséria...é triste! Angola ainda não é um estado de direito, a democrácia só existe em Luanda, (capital) o governo e os governantes usam e abusam das instituíções e do pacato cidadão, arquictetaram uma constituíção de camaleão, onde o presidente excede de puderes e até sobra, e o pacato cidadão ´não é tido nem achado. Falar da desgovernação de Angola, é realmente um filme em pleno texas de cowboy, onde o barril de polvóra está a espera dum palito de fosfóro vindo do nada, e começar a festa.

Novo comentário

Reflexão da semana

2011 o ano pré-eleitoral em Angola - Carlos Lopes

O ano de 2011, tem a particularidade de dar-nos uma capicua (11-11-11), ou seja, na comemoração de mais um aniversário da independência de Angola.   O cidadão Angolano residente na capital e que vive no limiar da pobreza, vai continuar a ser deslocado para a periferia, onde estão os novos guetos criados pelo Executivo, enquanto assiste ao erguer de grandes...
<< 1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>

 

www.a-patria.com      O portal de noticias de Angola

 

 

Clique no botão Play para tocar o Ipod!

As músicas tocarão automaticamente!



 

Publicite no nosso Site!